Crimes contra idosos em Juiz de Fora preocupam deputado

Isauro Calais 12-04 Crimes contra idosos em Juiz de Fora preocupam deputado

De janeiro de 2010 a setembro de 2017, 21.411 idosos foram vítimas de algum tipo de crime registrado pela Polícia Civil em Juiz de Fora, uma média de sete ocorrências por dia. O furto é o crime mais comum entre os idosos, representando 39% do total apurado. O Centro da cidade ainda é a região com maior incidência de delitos, seguido pelo bairro São Mateus e Santa Luzia.
Os dados fazem parte do Relatório de Análise Criminal sobre a vitimologia de idosos da Polícia Civil de Juiz de Fora, que evidencia a presença de vítimas com 60 anos ou mais nos principais crimes registrados na cidade nos últimos oito anos.
O maior índice de ocorrências já registrado foi em 2016, com 2.869 casos. Fenômeno que, segundo o relatório, “pode estar associado à criação da delegacia do idoso na cidade, o que facilitou o acesso das vítimas aos seus direitos e à proteção”. Em oito anos, 32 idosos foram vítimas fatais em decorrência dos principais crimes registrados pela Polícia, o que representa apenas 0,1% do total apurado. Em 88% dos casos, as vítimas não sofreram lesões aparentes.

O documento foi elaborado a pedido do deputado Isauro Calais, que liderou a Comissão Extraordinária do Idoso na Assembleia Legislativa de Minas Gerais – ALMG – e foi um dos responsáveis pela implantação da Delegacia do Idoso na cidade.

Para Isauro, o documento é importante, pois serve de base para as ações dos gestores públicos no enfrentamento da violência contra o idoso. “Qualquer tipo de violência deve ser denunciada. Além de impedir que o agressor volte a cometer os atos, a denúncia auxilia na construção de dados e políticas públicas nessa área. As denúncias podem ainda encorajar outras vítimas a buscarem ajuda”, explica o deputado.